Eu aceito os cookies deste website.

Usamos cookies para fazer este website melhor. Para saber mais sobre estes cookies, por favor, leia nossa Política de cookies.. Caso você continue sem alterar as suas configurações de cookies, você estará consentindo com seu uso. Porém, caso você tenha interesse em remover nossos cookies, encontrará como fazê-lo na nossa política de cookies.

Definições

O in-goal é a parte do terreno tal como está definido na Lei 1, onde a bola pode ser apoiada pelos jogadores de ambas as equipes.

Quando os jogadores atacantes são os primeiros a apoiar a bola no in-goal de seus oponentes, os jogadores atacantes marcam um try.

Quando os jogadores defensores são os primeiros a apoiar a bola no seu in-goal, os jogadores defensores anulam a bola.

Um jogador defensor que recebe a bola com um pé sobre a linha de meta ou no in-goal, é considerado como tendo ambos os pés no in-goal.

22.1 Apoiar a bola

Apoiar a bola

Há duas formas em que um jogador pode apoiar a bola:

(a)
Jogador que toca o chão com a bola. Um jogador apoia a bola quando a segurando e tocando o solo com ela no in-goal. “A segurando” significa ter a bola em uma ou ambas as mãos, ou com braço ou ambos os braços. Não é necessário pressionar para baixo.12
(b)
Jogador que pressiona sobre a bola. Um jogador apoia a bola quando ela está no chão, no in-goal, e o jogador a pressiona com uma ou ambas as mãos, com um ou ambos os braços, ou com a parte frontal do corpo, desde a cintura até o pescoço inclusive.
22.2 Levantar a bola

Levantar a bola do chão não é apoiá-la. Um jogador pode levantá-la no in-goal e apoiá-la em outro lugar do in-goal.

22.3 Bola apoiada por um jogador atacante
(a)
Try. Quando um jogador atacante que está em posição legal é o primeiro a apoiar a bola no in-goal dos adversários, o jogador marca um try. Isto se aplica tanto quando um jogador atacante como quando um jogador defensor são responsáveis pela bola estar no in-goal.

(b)

Quando um jogador atacante que tem a posse de bola apoia a bola no in-goal e, simultaneamente, toca a linha de lateral do in-goal ou a linha de bola morta (ou em qualquer outro ponto mais além delas), se outorgará uma saída de 22 metros para a equipe defensora.

22.4 Outras formas de marcar um try
(a)
Apoiar sobre a linha de meta. A linha de meta é parte do in-goal. Se um jogador atacante é o primeiro a apoiar a bola sobre a linha de meta de seus oponentes, um try é marcado.
(b)
Apoiar contra um poste de gol. Os postes de gol e os protetores que os rodeiam são parte da linha de meta, a qual é parte do in-goal. Se um jogador atacante é o primeiro a apoiar a bola contra o chão e um poste de gol ou protetor, um try é marcado.

Marcando um try apoiando contra um poste de goal

(c)
Try de empurre. Um scrum ou ruck não podem ocorrer no in-goal. Se um scrum ou ruck é empurrado para dentro do in-goal, um atacante pode, legalmente, apoiar a bola assim que esta alcança ou cruza a linha de meta e um try é marcado.
(d)
Try por impulso. Se um jogador atacante com a bola é tackleado próximo à linha de meta, mas o impulso o leva ao in-goal dos seus adversários em um movimento contínuo ao longo do chão, e este jogador é o primeiro a apoiar a bola, um try é marcado.
(e)
Tackleado próximo à linha de meta. Se um jogador é tackleado próximo à linha de meta dos seus oponentes, de modo que este jogador, imediatamente, pode se estirar e apoiar a bola sobre ou mais além da linha de meta, um try é marcado.

(f)

Nesta situação, os jogadores defensores que estão sobre seus pés podem impedir o try, legalmente, tirando a bola das mãos ou braços do jogador tackleado, mas não devem chutar a bola.

Jogador en touch-in-goal não portando a bola, apoia a bola marcando um try

(g)
Jogador na lateral ou na lateral do in-goal. Se um jogador atacante está na linha de lateral ou na linha de lateral do in-goal, o jogador pode marcar um try apoiando a bola no in-goal dos seus adversários, desde que o jogador não esteja portando a bola.
(h)
Pênalti try. Se outorgará um pênalti try se provavelmente fosse marcado um try caso não fosse o jogo sujo por parte da equipe defensora. Se outorgará um pênalti try se provavelmente fosse marcado um try em melhor posição caso não fosse o jogo sujo por parte da equipe defensora.

(i)

Um pênalti try deve ser outorgado entre os postes de gol. A equipe defensora pode investir na conversão de um pênalti try.

22.5 Bola apoiada por um jogador defensor
(a)
Anulada. Quando os jogadores defensores são os primeiros a apoiar a bola em seu próprio in-goal, isto constitui uma anulada.
(b)
Jogador na lateral ou lateral de in-goal. Se há jogadores defensores sobre a linha de lateral de in-goal, eles podem anular a bola apoiando-a no seu próprio in-goal, desde que não estejam portando a bola.
(c)
Apoiada contra um poste de gol. Os postes de gol e os protetores que os rodeiam são parte integrante da linha de meta. Se um jogador defensor é o primeiro a apoiar a bola contra o solo e um poste de gol ou protetor, o resultado dessa ação é uma anulada.
22.6 Scrum, ruck ou maul empurrado para dentro do in-goal

Um scrum, ruck ou maul somente podem ocorrer no campo de jogo. Tão logo um scrum, ruck ou maul é empurrado para mais além da linha de meta, um jogador pode, legalmente, apoiar a bola. Isto constitui em uma anulada ou um try.

22.7 Reinício após uma anulada

(a)

Quando um jogador atacante lança ou porta a bola até o in-goal de seus adversários e a mesma é feita morta, seja porque um defensor a apoiou ou porque ela saiu pela lateral de in-goal ou pela linha de bola morta, se outorgará uma saída de 22 metros.

(b)

Se um jogador atacante comete um knock on ou passe para frente no campo de jogo e a bola entra no in-goal de seus oponentes e aí se faz morta, se outorgará um scrum no local onde ocorreu o knock on ou o passe para frente.

(c)

Se em uma saída de meio campo ou saída de 22 metros, a bola é chutada para dentro do in-goal de seus oponentes sem tocar ou ter sido tocada por um jogador, e um jogador defensor a apoia ou a faz morta sem demora, a equipe defensora tem duas opções:

  • Que se forme um scrum no centro da linha de onde a bola foi chutada e ela introduz a bola, ou
  • Que a outra equipe efetue a saída de jogo ou de 22 metros novamente.

(d)

Se um jogador defensor lançou ou levou a bola ao in-goal, e um jogador defensor a apoiou sem que tenha ocorrido nenhuma infração, o jogo se reiniciará com um scrum a 5 metros. A posição do scrum será em linha com o local onde a bola foi anulada. A equipe atacante introduzirá a bola.

(e)

Se a equipe defensora leva a bola ao seu próprio in-goal e um jogador defensor chuta a bola e ela é investida por um oponente no in-goal e a bola rebate nele e logo é feita morta, se outorgará à equipe atacante um scrum a 5 metros em linha com o lugar onde a bola foi morta e esta equipe introduzirá a bola.

22.8 Bola chutada através do in-goal e morta12

Se uma equipe chuta a bola, através do in-goal de seus oponentes, para além da linha de bola morta ou da lateral de in-goal, exceto de um chute sem êxito para o gol ou tentativa de drop goal, a equipe defensora tem duas opções:

  • Que se efetue uma saída de 22 metros, ou
  • Que se forme um scrum no lugar onde a bola foi chutada e ela introduzirá a bola.
22.9 Jogador defensor no in-goal

(a)

Um jogador defensor que tem parte de um pé no in-goal, se considera que tem ambos os pés no in-goal.

(b)

Se um jogador com um ou ambos os pés sobre ou depois da linha de meta pega a bola que estava estática no campo de jogo, considera-se que este jogador pegou a bola no campo de jogo e, consequentemente, ele introduziu a bola no in-goal.

(c)

Se um jogador com um ou ambos os pés sobre ou depois da linha de meta pega a bola que estava em movimento no campo de jogo, considera-se que este jogador pegou a bola no in-goal.

(d)

Se um jogador com um ou ambos os pés sobre ou depois da linha de bola morta pega a bola que estava estática no in-goal, considera-se que este jogador pegou a bola no in-goal e, consequentemente, ele a matou.

(e)

Se um jogador com um ou ambos os pés sobre ou depois da linha de bola morta pega a bola que estava em movimento no in-goal, considera-se que este jogador pegou a bola fora da área de jogo.

22.10 Bola travada no in-goal

Quando um jogador portando a bola é travado no in-goal, de modo que não consegue apoiá-la, a bola está morta. Se formará um scrum a 5 metros. Isto se aplica se uma jogada similar a um maul ocorrer no in-goal. A equipe atacante introduzirá a bola.

22.11 Bola morta no in-goal

(a)

Quando a bola toca a linha de lateral de in-goal, ou a linha de bola morta, ou toca algo ou alguém mais além destas linhas, a bola resulta morta. Se a bola foi introduzida no in-goal pela equipe atacante, se outorgará uma saída de 22 metros para a equipe defensora. Se a bola foi introduzida no in-goal pela equipe defensora, se outorgará um scrum a 5 metros e a equipe atacante introduzirá a bola.12

(b)

Quando um jogador portando a bola toca a linha de lateral de in-goal, ou a linha de bola morta, ou toca o solo mais além destas linhas, a bola resulta morta. Se a bola foi introduzida ao in-goal pela equipe atacante, se outorgará uma saída de 22 metros para a equipe defensora. Se a bola foi introduzida no in-goal pela equipe defensora, se outorgará um scrum a 5 metros e a equipe atacante introduzirá a bola.12

(c)

Quando um jogador marca um try ou anula a bola, esta se torna morta.

22.12 Bola ou jogador que toca uma bandeira ou um poste com bandeira (de esquina)

Se a bola ou um jogador que a porta toca uma bandeira ou um poste com bandeira (de esquina), na interseção das linhas de lateral do in-goal e da linha de meta, ou na interseção das linhas de lateral do in-goal e linha de bola morta sem estar, de outra maneira, na linha de lateral ou na linha de lateral do in-goal, a bola não está fora de jogo, a menos que primeiro seja apoiada contra o solo e um poste com bandeira.

Jogador toca o poste de esquina antes que a bola seja apoiada

22.13 Infração do atacante com sanção de scrum

Se um jogador atacante comete uma infração no in-goal, para a qual a sanção seja scrum, por exemplo um knock on, o jogo deve se reiniciar com um scrum a 5 metros. O scrum será formado em linha com o local da infração e a equipe defensora introduzirá a bola.

22.14 Infração do defensor com sanção de scrum

Se um jogador defensor comete uma infração no in-goal, para a qual a sanção seja scrum, por exemplo um knock on, o jogo deve se reiniciar com um scrum a 5 metros. O scrum será formado em linha com o local da infração e a equipe atacante introduzirá a bola.

22.15 Dúvida sobre quem apoia

Quando há dúvida sobre qual das equipes apoiou primeiro a bola no in-goal, o jogo deve se reiniciar com um scrum a 5 metros, em linha com o lugar onde a bola foi apoiada. A equipe atacante introduzirá a bola.

22.16 Infrações no in-goal

Todas as infrações no in-goal são tratadas como se tivessem ocorrido no campo de jogo.

Um knock on ou um passe para frente no in-goal resultam em um scrum a 5 metros, em linha com o lugar da infração.

Sanção: A marca de um pênalti ou free kick por uma infração não podem estar no in-goal. Quando se outorga um penal ou free kick por uma infração no in-goal, a marca para o chute deve estar no campo de jogo, a 5 metros da linha de in-goal em linha com o lugar da infração.

22.17 Inconduta ou jogo sujo no in-goal
(a)
Obstrução da equipe atacante. Quando um jogador investe ou obstrui intencionalmente um adversário no in-goal que acaba de chutar a bola, a equipe adversária pode optar entre executar o pênalti no campo de jogo a 5 metros da linha de meta em linha com o lugar da infração, ou de onde a bola caiu.

Se optam pela segunda alternativa e a bola cai na linha de lateral ou próximo à linha de lateral, a marca do pênalti será a 15 metros da linha de lateral, em linha com o lugar onde a bola saiu para lateral ou onde caiu.

Se, provavelmente, não se tenha marcado um try, se não fosse pelo jogo sujo por parte da equipe atacante, o árbitro deve anular o try e outorgar um pênalti.

(b)
Jogo sujo da equipe defensora. Se provavelmente se teria marcado um try caso não fosse por jogo sujo por parte da equipe defensora, o árbitro outorgará um pênalti try.

Se, provavelmente se teria marcado um try em uma melhor posição caso não fosse por jogo sujo por parte da equipe defensora, o árbitro outorgará um try penal.

Um try penal é outorgado entre os postes de gol. A equipe defensora pode investir na conversão do try penal.

Um jogador que mediante jogo sujo impede que se marque um try deve ser advertido e suspenso temporariamente ou expulso.

(c)
Qualquer outra ação de Jogo sujo. Quando um jogador comete qualquer outra ação de jogo sujo no in-goal enquanto a bola está fora de jogo, o pênalti será outorgado no lugar onde, de outra maneira, o jogo seria reiniciado.

Sanção: Pênalti