Eu aceito os cookies deste website.

Usamos cookies para fazer este website melhor. Para saber mais sobre estes cookies, por favor, leia nossa Política de cookies.. Caso você continue sem alterar as suas configurações de cookies, você estará consentindo com seu uso. Porém, caso você tenha interesse em remover nossos cookies, encontrará como fazê-lo na nossa política de cookies.

Princípios do Jogo

A Integridade é central para a estrutura do Rugby e se gera mediante a honestidade e o jogo limpo.

Conduta

A lenda de William Webb Ellis, ao qual se credita ter sido a primeira pessoa a pegar a bola com a mão e correr com ela, sobreviveu a incontáveis teorias revisionistas desde aquele dia, em 1823, no Colégio de Rugby. O fato de que o jogo tenha tido suas origens num ato de autentico desafio é de alguma maneira significativo.

Á primeira vista é difícil para um observador casual, identificar os princípios por trás deste jogo que mais parece um bolo de contradições. É perfeitamente aceitável, por exemplo, observar um atleta exercendo uma grande pressão física sobre um oponente, na tentativa de obter a posse da bola, porém, sem a intenção ou a malícia de machucar alguém.

Estes são limites por entre os quais atletas e árbitros devem conviver e serem capazes de distinguir, combinado com disciplina e controle, tanto individual como coletiva, sob os quais este código de conduta depende.

Espírito

O Rugby deve muito do seu encanto ao fato de ser jogado dentro das regras, como também ao espírito desportivo. A responsabilidade de assegurar que isto ocorra encontra-se não apenas em um indivíduo, mas envolve os treinadores, capitães, jogadores e árbitros.

É através da disciplina, controle e respeito mútuo, que se faz com que espírito do Jogo prospere. E no contexto de um jogo fisicamente desafiador como o Rugby, estas são as qualidades que desenvolvem o companheirismo e senso de jogo limpo tão essencial para a sobrevivência e êxito do jogo.

Estas podem ser velhas tradições e virtudes, mas são á prova do tempo, e em todos os níveis em que o jogo é praticado, permanecem tão importantes para o futuro do Rugby como foram por todo seu longo e glorioso passado. Os princípios do Rugby são os elementos fundamentais sobre os quais o jogo é baseado e possibilitam aos participantes imediatamente identificar o caráter do jogo e que o faz ser um esporte tão singular.

As pessoas do Rugby tem um apaixonado entusiasmo pelo Jogo. O Rugby gera entusiasmo, adesão emocional e senso de pertença à Família mundial do Rugby.

Objetivo

O Objetivo do Jogo é que duas equipes, formadas por quinze atletas cada, jogando limpo, praticando um jogo leal e de acordo com as Leis e o espírito desportivo, portando, passando, chutando e apoiando a bola no solo, marcando tantos pontos quanto seja possível.

O Rugby é praticado por homens e mulheres e por meninos e meninas mundialmente. Mais de três milhões de pessoas com idades entre 6 e 60 anos participam regularmente da prática do jogo.

A grande variedade de habilidades e requisitos físicos necessários para o jogo indica uma grande oportunidade para indivíduos de todas as formas, tamanhos e aptidões, para participar em todos os níveis.

Disputa e Continuidade

A disputa pela posse da bola é uma das características chave do Rugby. Estas disputas ocorrem durante todo o jogo e de diversas formas diferentes:

  • no contato
  • no jogo aberto
  • quando o jogo é reiniciado em scrums, line-outs ou saídas de jogo.

O Rugby fornece um espírito unificado que conduz a amizades que dura toda a vida, camaradagem, trabalho em equipe e lealdade, que transcendem as diferenças culturais, geográficas, politicas e religiosas.

As disputas estão equilibradas de modo a recompensar a habilidade superior demonstrada na ação precedente. Por exemplo, a uma equipe forçada a chutar para a lateral por causa de sua incapacidade de manter o jogo, é negada a reposição da bola no lateral. Do mesmo modo, a equipe que derruba a bola ou passa-a para frente é negada a reposição no scrum subsequente. A vantagem então sempre deve passar para a equipe com a introdução da bola em jogo, embora, seja importante novamente, que nestes reinícios, exista uma disputa justa pela posse da bola.

O objetivo da equipe com a posse da bola é manter a continuidade negando a bola aos adversários, e por meio das suas habilidades, avançar e marcar pontos. O fracasso nesta tarefa significa ceder a posse à oposição tanto como consequência de falhas ou deficiências da própria equipe com a posse, ou devido a qualidade da defesa oponente. Disputa e continuidade, lucro e perda.

Enquanto uma equipe luta para manter a continuidade da posse, a equipe oponente se esforça para disputá-la. Isto fornece o equilíbrio essencial entre continuidade de jogo e continuidade da posse. Este equilíbrio entre disputa e continuidade aplica-se tanto ás formações fixas como ao jogo aberto.